Último Álbum

Confira um dos últimos álbuns da banda Blindagem. Clique no álbum para seguir até sua página.

banner
GREATEST HITS
0
  • No products in the cart.
0
  • No products in the cart.

Rock em Concerto

Artistas: Alberto Rodriguez, Alessandro Sangiorgi, Ivo Rodrigues, Paulo Juk, Paulo Teixeira, Rodriggo Vivazs, Ruben Pato Romero
Gravadoras: Cooperdisc Editorial Log, CWB Music
Lançamento: 2008
Gêneros: Erudito, Rock

Disponível em

Músicas

1. Blindagem Comprar
2. Sou Legal, Eu Sei Comprar
3. Marinheiro Comprar
4. O Homem e A Natureza Comprar
5. Volto na Primavera Comprar
6. Não Posso Ver Comprar
7. Sinfonia N° 5 Comprar
8. Operário Padrão Comprar
9. Além do Silêncio Comprar
10. Miragem Comprar
11. Cheiro do Mato Comprar
12. Lá Vai O Trem Comprar
13. Gaivota Comprar
14. Cisco Voador (Guria) Comprar
15. Se Eu Tivesse Comprar
16. Vida Gozada Comprar
17. Igual A Mim Comprar
18. Bis Comprar
19. Oração de Um Suicida Comprar
20. Loba da Estepe Comprar

Letras

Blindagem

Na sala de estar
esquento a cabeça
tramando uma ideia
um jeito de ser

Um astro de rock
tentando o sucesso
com som em excesso
e ninguém pra escutar

Ouçam meu apelo
AMs FMs
radiolas e vitrolas
me levem pro ar

Não sei por quanto tempo
vou esperar
pra ver minha estrela brilhar

Sou Legal, Eu Sei

Sou legal, eu sei
Agora só falta convencer a lei
Sou real, eu sei
Agora só falta convencer o rei

Eu sei que sou legal
O duro é provar
Que sou legal, eu sei
Mas isso não sei
Se vão deixar dizer
Eu sei que tudo o mais
Vai pro beleléu
A terra, o mar, o céu
Mas nessa hora eu quero mais é estar
Com a turma do pinel

Marinheiro

Quiseram que eu botasse
Um boné de marinheiro
Quiseram que eu ficasse
Igual ao mundo inteiro
Mas eu não,
Não eu não

Quiseram que eu botasse
Uniforme de escoteiro
Quiseram que eu pegasse
No martelo do pedreiro
Mas eu não
Não eu não

Você vê é de nascença
Este meu jeito
Nem eu mesmo me consigo
Imitar direito
Quem sou eu?
Eu não
Quem sou eu?
Eu não eu não

O Homem e A Natureza

Qualquer dia, a natureza
Com toda certeza há de reclamar
Com razão, a atitude do homem
Na terra com os rios
E os peixes do mar

As matas ardem em
Grandes queimadas
Construindo estradas que
Nos levarão, a nada
Eu sinto pena da passarinhada
E dos índios que
Não podem lutar

E no futuro
Quando uma criança
O ar puro quiser respirar
Vai sentir que onde era floresta
É só fumaça parada no ar

E quando penso
Me dá uma tristeza
Em saber que não posso voltar
Quando ouço o barulho
Da chuva, sinto
Saudades daquele lugar

Volto na Primavera

Antes que eu te deixe
Deixe eu dar um gole em você

Não, não é mole
Viver sem ninguém

Cair de porre até o verão
Tirar um sarro do teu coração

Me conte um sonho
Pra sonhar no outono

Depois me deixe ir
Ou se puder me espera
Volto na primavera

Quando acabar a primavera
Volto na primavera
Quando acabar a primavera

Não Posso Ver

Não posso ver sangue
Fico logo vermelho querendo chorar
Não posso ver sangue
Fico logo vermelho querendo chupar
Não posso ver
Água, poço, rio, mar
Que eu já começo a tirar a roupa
Pronto pra mergulhar

Não posso ver ninguém
Que eu já quero, que eu já quero, namorar
Não não posso ver você
Que eu já quero, que eu já quero, uh

Não posso ver
Água, poço, rio, mar
Que eu já começo a tirar a roupa
Pronto pra mergulhar

Operário Padrão

Será que virou festa essa infla confusão
Toda vez que o dólar sobe cai de testa o meu Barão
Tem gente nas esquinas reclamando seu quinhão
Nessa parte do tesouro que não vem pra sua mão
Isso é coisa de pirata, 30 dias sem perdão
Suando feito louco pra ser operário-padrão

Dormindo acordado tento achar a solução
Sabendo que minha grana já não vale um tostão
Já virou bagunça essa máxi cotação
Logo vai por CTI pra recuperação
E todo fim de mês, sem ter mais pra quem apelar
Em grande desespero fica o povo a gritar

Pega essa notinha
Segura essa verdinha
Não deixa essa danada subir
Pega essa notinha
Segura essa verdinha
Se não o meu Barão vai cair

Condes e Condessas
Doutores em geral
Cuidem da doença
Salvem meu Barão

Além do Silêncio

Não quero esconder
Nada de você

Entenda o silêncio
Como parte do meu ser

Tente descobrir
O que me faz sorrir
Além de você comigo
Além de ser seu amigo

Sem você fica vazio
O azul do céu
Com você a minha vida
É bem melhor, é bem melhor

Se o mundo não presta
Nada mais me resta
Mas gostar mais de você
Te amar e te querer

Cada vez mais você
Cada vez mais só você
Cada vez mais você
Cada vez mais só você

Miragem

Te vi no meu sonho
foi tão bom pra mim
vivendo em meu sonho
a saudade não é tão ruim
pra te ver de verdade
a realidade nunca foi boa assim
eu canto e você esquece
e a lua desce
vai cuidar de mim

(Refrão)
Minha miragem
Tô deserto de amor
Meu oásis
Sou beduíno sofredor

Te vi no meu sonho
foi tão bom pra mim
vivendo em meu sonho
a saudade não é tão ruim
pra te ver de verdade
a realidade nunca foi boa assim
eu canto e você esquece
e a lua desce
vai cuidar de mim

(Refrão)
Minha miragem
Tô deserto de amor
Meu oásis
Sou beduíno sofredor

Cheiro do Mato

Quando me lembro
Do cheiro do mato
Da beira da estrada
De comer pinhão
Lembro do amor
De uma árvore
Sem esperar pra ver nascer a flor

E vou seguindo
Caminhando, me espalhando
(Tirando Poeira do meu coração) levando poeira no meu coração
Eu vou, eu vou
Sem olhar pra trás
Eu quero ir embora antes de parar

No meu caminho
Tenho mais de quatro nortes
Pra iludir uma só morte
Se pensar em me segurar
Lá no meu campo
Nunca tive bandeira
Se preciso dou rasteira
Vou cantar noutro lugar

Lá Vai O Trem

Uh uh lá vai o trem

Lá vai o trem
Furando montanhas
Seguindo um caminho
De sonho e coragem
(Lá vai o trem)

Lá vai o trem
Beijando a natureza
Mostrando a beleza
Da Serra do Mar
(Lá vai o trem)

Uh uh lá vai o trem

Lá vai o trem
Levando sobre os trilhos
O fruto do trabalho
Do homem da terra
(Lá vai o trem)


Curitiba é o ponto de partida
E até Paranaguá você vai ter muito prazer
Bolinho da Graxa, Véu da Noiva, Marumbi
Beleza como esta você só encontra aqui

Uh uh lá vai o trem

Lá vem o trem
Vestido de gala
No meio da floresta
Fazendo uma festa
(Lá vai o trem)

Lá vai o trem
São anos de glória
Fazendo história no Paraná
(Lá vai o trem)

Gaivota

Sou gaivota por sobre o mar
Meu vôo é volta
De qualquer lugar
Desapareço no tempo, no ar
Antes que um olho
Consiga piscar

Num vôo razante
O que eu vi
Não dá pra acreditar
Dá pra acreditar
Minhas penas tremendo
Me levem daqui
Faço parte do vento
Vou me embora correndo
Se acalme...

Cisco Voador (Guria)

Eu queria guria
ser um bandido
astronauta perdido
um cisco voador.

Penetrar teu olhar
ver teu olho ferido
eu queria guria
ser o dono do medo
um buraco negro
uma nuvem fechada no elevador.

Eu queria guria
ser um bandido
astronauta perdido
um cisco voador.

Penetrar teu olhar
ver teu olho ferido
eu queria guria
ser o dono do medo
um buraco negro
uma nuvem fechada no elevador.

Um cabelo molhado
do gosto pardo da flor
eu queria guria
ficar nu do teu lado
teu chiclete mascado
e todo gozado
pelo teu amor.

[solo]

Um cabelo molhado
do gosto pardo da flor
eu queria guria
ficar nu do teu lado
teu chiclete mascado
e todo gozado
pelo teu amor.

[solo]

Um cabelo molhado
do gosto pardo da flor
eu queria guria
ficar nu do teu lado
teu chiclete mascado
e todo gozado
pelo teu amor.

Eu queria guria.

Se Eu Tivesse

Quando a noite chega
E as estrelas lembram o teu olhar
São as luzes dos meus sonhos
Que voltam a esvoaçar

Se eu tivesse o teu olhar
Poderia ver a luz
E nada mais faria
Só pra ti vivia
Mesmo que o mundo pare
De girar

Quando a noite chega
E as estrelas lembram o teu olhar
São as luzes dos meus sonhos
Que voltam a esvoaçar

Se eu tivesse o teu olhar
Poderia ver a luz
E nada mais faria
Só pra ti vivia
Mesmo que o mundo pare
De girar

Vida Gozada

Quero uma vida mal educada
aquelas vidas aquelas vidas assim
quero uma vida que nada importa
nada importa fique tudo assim
quero uma vida onde nunca é tarde
daquelas que não dormem jamais
quero uma vida daquelas que não se sabe mais
e nos encontraremos como star
bebendo whisky no Roxi Bar
talvez não nos encontremos mais
cada um vai pro seu lugar
cada um na sua, cada um por sí
e cada um perdido no seu próprio astral

quero uma vida muito gozada
uma vida como nos velhos tempos
quero uma vida exagerada
uma vida como Steve McQueen
quero uma vida onde nunca é tarde
daquelas que não dormem jamais
quero uma vida escandalosa demais
e nos encontraremos como star
bebendo whisky no Roxi Bar
talvez não nos encontremos mais
cada um vai pro seu lugar
cada um na sua, cada um por sí
e cada um perdido no seu próprio astral

Quero uma vida mal educada
aquelas vidas aquelas assim
quero uma vida que nada importa
nada importa fique tudo assim
quero uma vida onde nunca é tarde
daquelas que não dormem jamais
quero uma vida verás que vida verás...
e nos encontraremos como está
bebendo whisky no Roxi Bar
talvez não nos encontremos mais
cada um vai pro seu lugar
e nos encontraremos como star
bebendo whisky no Roxi Bar
talvez não nos encontremos mais

Igual A Mim

Você é igual a mim
Eu sou igual a você
Ninguém vai me prender
Nem vai prender você

Eu gosto de andar por aí à vontade
Sair pela rua com minha liberdade
Eu tento, eu tento mas não consigo
No filme da cidade sempre
Sou mais um bandido

(refrão)

Se eu quero fumar mais um cigarro
Ou então com meu caso
Transar no meu carro
A gata é família, me deixa na minha
Só veio comigo pra massagem na espinha

(refrão)

Dentro do ônibus eu vejo um assalto
Aprendi a viver de braços pro alto
Não interessa eu sou igual a você
Você precisa roubar pra comer

Oração de Um Suicida

Vejo nos teus olhos tão profundo
as durezas que este mundo
te deu pra carregar
vejo também, que sentes que tem
amor, para dar

Perdi-me na vida
achei-me nos sonhos
a vida que levo
não é a que quero,
não quero mais nada

Quando a terra se acabar
você vai chorar não adianta mais
vendo esta terra não compensa
rezando na presença
de um gigante cogumelo

Teu retrato é poeira
luminosa, nebulosa
brilha tanto e ninguém vê
era um mundo tão bonito
caprichado de milagres
Deus gostava de florir

Loba da Estepe

Teu sangue vermelho
Não reflete no espelho
Brilho da estrela
Olhos cegos
Não posso vê-la
Meu sangue vermelho
Corre no cristal
Noite clara de lua
Loba da estepe
Te espero

Minh'alma é sua
Eu te mandava pra longe da terra
Pra não te ver mais
Pra você eu inventava uma guerra
Mas não sou capaz
Loba da estepe - loba da estepe
Te espero
Minh'alma é sua

Sobre o Álbum

Lançado em Junho de 2008, foi gravado ao vivo na primeira apresentação do Rock em Concerto, em setembro de 2007, no Teatro Guaíra, em Curitiba. O show e o DVD marcaram os 30 anos da banda.

O encontro da Blindagem com a Orquestra Sinfônica surgiu de um sonho antigo do maestro Alessandro Sangiorgi. “Sou da geração que nasceu nos anos 60 e cresceu ouvindo rock”, conta ele, que chegou a ter uma banda quando ainda vivia em Milão, na Itália, seu país de origem. “São gêneros tão diferentes, mas quando bem executados, um complementa o outro”, afirma Sangiorgi.

Inspirado num trabalho semelhante, feito entre a banda Scorpions e a Filarmônica de Berlim, e também numa parceria entre a Deep Purple e a Royal Filarmônica de Londres, Sangiorgi apresentou sua ideia ao Teatro Guaíra e à banda Blindagem. “Foi uma coincidência enorme, pois este também era um desejo antigo da banda”, afirma o vocalista da Blindagem, Ivo Rodrigues.